Como montar diretórios remotos via ssh

Post movido para: http://blog.guilhermegarnier.com/2008/03/24/como-montar-diretorios-remotos-via-ssh/

O sshfs é um comando muito útil para quem precisa acessar servidores (ou máquinas virtuais) remotos. Com este comando, em vez de precisarmos executar o ssh para logarmos ou o scp para copiarmos arquivos entre o desktop e os servidores, podemos montar localmente um diretório remoto.

Para instalar esse pacote no Ubuntu, basta executar o comando sudo apt-get install sshfs. Em seguida, adicione seu login ao grupo fuse:

sudo usermod -a -G fuse login

Apenas usuários deste grupo terão permissão para montar e desmontar diretórios. Para montar um diretório remoto:

sudo sshfs user@server:/usr/local/test ./server-test

O comando acima mapeia o diretório /usr/local/test do servidor server no diretório local ./server-test, como usuário remoto user. Há uma série de parâmetros opcionais, como forçar sincronização e cache. Verifique o man do comando para mais detalhes.

Para desmontar o diretório, basta executar:

fusermount -u ./server-test

Referência:

  • Mount directories via SSH
  • Mount remote folders via SSH

13 Responses to “Como montar diretórios remotos via ssh”


  1. 1 hamacker março 24, 2008 às 4:45 pm

    Para quem está usando um desktop com o nautilus pode experimentar outro método, digitar na barra de endereço :

    ssh://servidor:/pasta/para/acessar

    ou

    ssh://fulano@servidor:/pasta/para/acessar

    É mais pratico para quem usa o gnome.

  2. 2 ggarnier março 24, 2008 às 4:58 pm

    hamacker,

    esse método é realmente mais prático. Mas se você quiser abrir um arquivo remoto em um editor de texto ou IDE, por exemplo, você não conseguirá. Com o sshfs, o acesso fica transparente.

  3. 3 Fernando F. março 24, 2008 às 5:09 pm

    Muito legal a dica Guilherme. Será de grande uso com certeza.

  4. 4 Caio Romão março 24, 2008 às 5:17 pm

    ggarnier,

    No KDE, o uso do fish (fish://usuario@host) permite edição de arquivos através do kwrite/kate, aliás, qualquer programa do KDE que seja compatível com o (K)ioslave consegue editar nos protocolos suportados (ftp,smb,sftp,fish,…). Ou seja, o acesso também é transparente. Se não me engano o Gnome possui funcionalidade similar.

    As vantagens do sshfs são, na minha opinião, a possibilidade de fazer montagem automática (nfs, tunnel, et al) e poder usar a linha de comando livremente para brincar com as coisas.

    []’s

  5. 5 Sérgio Luiz Araújo Silva março 24, 2008 às 5:20 pm

    Tenho usado muito o sshfs no clonezilla, aliás o clonezilla é
    um caso à parte, conheça-o e surpreenda-se, clona sistemas rapidinho! Assim como o “Norton Ghost” ele envia somente os blocos usados chegando a clonar sistemas em 6 minutos. Os caras parece que desenvolveram um algoritmo que usa inicialmente UDP e no final um rsync, show de bola!

  6. 6 Danilo Cesar março 24, 2008 às 7:58 pm

    Qual o sentido de sudo no Fuse?
    Fuse, como o nome diz, é Filesystem in userspace… Logo não é (ou não deveria ser) necessário utilizar sudo…

    Duas dicas interessantes sobre sshfs:
    http://www.danilocesar.com/blog/2006/06/09/montar-disco-remoto-com-ssh/
    e
    http://www.danilocesar.com/blog/2007/05/12/permissoes-em-particoes-sshfs/

  7. 7 battisti março 25, 2008 às 7:28 am

    Opa muito legal, sempre o linux surpreendendo com estas ferramentas bacanas, eu uso uma maquina linux com mapeamento via samba pq acho o nfs muito inseguro mas linux com linux via samba está me dando muita dor de cabeça, vou tentar essa montagem via ssh, valeu pela dica!

  8. 8 Reginaldo Radel março 25, 2008 às 10:35 am

    Conhecia o protocolo fish e outros do KDE já citados acima pelo Caio Romão.

    Também já tinha lido superficialmente sobre o sshfs. Mas sua dica foi rápida e objetiva o suficiente p/ entender.

    Vai me ajudar com o “Rsync”😉

    Parabéns Guilherme !!!

  9. 9 Reinaldo Braga março 25, 2008 às 11:07 am

    Parabéns pelo tutorial simples e objetivo.

    Só quero adicionar um comando para a criação manual do dispositivo fuse, necessário para a montagem dos diretórios remotos.

    Antes de carregar o módulo fuse, “geralmente” é necessário criar o dispositivo do fuse manualmente. O comando para criar é o seguinte:

    mknod -m 666 /dev/fuse c 10 229

    []’s

  10. 10 ggarnier março 25, 2008 às 1:54 pm

    Danilo,

    o sshfs usa o fuse para montar diretórios remotos, por isso somente os usuários do grupo fuse terão permissão para isso.

    Reinaldo,

    aqui não precisei fazer isso, o fuse já estava carregado. Mas, como indicado no segundo link do meu post, pode ser necessário carregar esse módulo manualmente. Obrigado pela contribuição.

  11. 11 Giuliano março 26, 2008 às 8:37 am

    Uso o sshfs a muito tempo, apesar de ter usado o fish do KDE antes.

    Para os programas gráficos do KDE pode ser usado o fish://, mas, melhor do que ele, é usar o sftp:// que tem a mesma função, mas é mais rápido e eficiente (o fish dá umas travadas de vez em quando, pois ele cria um arquivo temporário no host).

    Porém o melhor realmente é o sshfs, pois, depois de montado, você acessa de qualquer programa, gráfico ou texto, KDE, Gnome, etc.

    Melhor ainda se você configura o ssh sem necessidade de senha, com chaves de autenticação (http://www.vivaolinux.com.br/artigos/verArtigo.php?codigo=6021), e colocar pra montar na sessão (do Gnome ou KDE).

    Depois do sshfs, larguei o samba, fish, sftp, nfs, pois além de simples e eficiente, é seguro, pois os dados trafegam criptografados.

    Fica maravilhoso!


  1. 1 sshfs: Como montar diretórios remotos via ssh Trackback em março 24, 2008 às 4:35 pm
  2. 2 sshfs: Como montar diretórios remotos via ssh Trackback em janeiro 21, 2009 às 11:54 pm

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




@guilhermgarnier

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

Estatísticas

  • 58,044 hits
Linux Counter

%d blogueiros gostam disto: