Posts Tagged 'linguagens de programação'

Classes abstratas em Ruby?

Post movido para: http://blog.guilhermegarnier.com/2009/12/04/classes-abstratas-em-ruby/

Como eu estava há algum tempo sem mexer com Ruby, resolvi fazer o ótimo curso online gratuito Core Ruby, do Satish Talim (também conhecido como Indian Guru) para relembrar algumas coisas. Ao chegar no tópico Ruby Overriding Methods, há um item sobre classes abstratas, que diz o seguinte:

Abstract class

In Ruby, we can define an abstract class that invokes certain undefined “abstract” methods, which are left for subclasses to define. For example:

# This class is abstract; it doesn't define hello or name
# No special syntax is required: any class that invokes methods
# that are intended for a subclass to implement is abstract
class AbstractKlass
  def welcome
    puts "#{hello} #{name}"
  end
end

# A concrete class
class ConcreteKlass < AbstractKlass
  def hello; "Hello"; end
  def name; "Ruby students"; end
end

ConcreteKlass.new.welcome # Displays "Hello Ruby students"

Assim que li esse código, fiquei com uma pulga atrás da orelha. Ele mostra como um exemplo de classe abstrata uma classe que faz referência a métodos não definidos, explicando que seria necessário criar uma classe concreta estendendo esta classe e implementando os métodos necessários.

Eu sempre pensei que classes abstratas fossem classes que não poderiam ser instanciadas, o que não é o caso do exemplo. É perfeitamente possível criar objetos da classe AbstractKlass. Só ocorrerá uma exceção se o método welcome do objeto criado for executado:

irb(main):006:0> obj = AbstractKlass.new
=> #<AbstractKlass:0x37d490>
irb(main):007:0> obj.class
=> AbstractKlass
irb(main):008:0> obj.welcome
NameError: undefined local variable or method `hello' for #<AbstractKlass:0x37d490>
        from (irb):9

Resolvi levantar esta questão no forum do curso, e recebi uma resposta de um dos participantes dizendo que em Ruby o conceito de classes abstratas seria diferente daquele que apresentei acima. De acordo com a definição da Wikipedia: “An abstract class, or abstract base class (ABC), is a class that cannot be instantiated”.

Pesquisando sobre o assunto, encontrei referências apresentando algumas sugestões de como implementar classes abstratas em Ruby de diferentes maneiras (herança, módulos e até um gem):

Uma das possibilidades mostradas nos links acima seria desta forma:

class AbstractClass
  class AbstractClassInstiationError < RuntimeError
  end

  def initialize
    raise AbstractClassInstiationError, "Cannot instantiate this class directly"
  end
end

class ConcreteClass < AbstractClass
  def initialize
  end
end

Isso teoricamente resolveria o problema:

irb(main):043:0> obj1 = AbstractClass.new
AbstractClass::AbstractClassInstiationError: Cannot instantiate this class directly
        from (irb):36:in `initialize'
        from (irb):44
irb(main):044:0> obj1.class
=> NilClass
irb(main):045:0> obj2 = ConcreteClass.new
=> #<ConcreteClass:0x309f9f>
irb(main):046:0> obj2.class
=> ConcreteClass

Porém, há um detalhe importantíssimo: em Ruby todas as classes são abertas, ou seja, sempre será possível reimplementar métodos ou adicionar módulos que alteram o comportamento da classe, tornando impossível proibir completamente a instanciação e, consequentemente, a implementação de classes abstratas (pelo menos de acordo com o conceito apresentado aqui).

A linguagem Ruby possui alguns conceitos diferentes dos utilizados em outras linguagens, em função de algumas de suas características, como classes abertas e meta programação. Isso nos força a pensar em maneiras diferentes de implementar soluções para os mesmos problemas, o que é muito bom.

Para concluir, segue um trecho do livro “Programming Ruby” que foi apresentado na discussão sobre este assunto no forum do curso:

The issue of types is actually somewhat deeper than an ongoing debate between strong typing advocates and the hippie-freak dynamic typing crowd. The real issue is the question, what is a type in the first place?

If you’ve been coding in conventional typed languages, you’ve probably been taught that the type of an object is its class—all objects are instances of some class, and that class is the object’s type. The class defines the operations (methods) that the object can support, along with the state (instance variables) on which those methods operate.

In Ruby, the class is never (OK, almost never) the type. Instead, the type of an object is defined more by what that object can do. In Ruby, we call this duck typing. If an object walks like a duck and talks like a duck, then the interpreter is happy to treat it as if it were a duck.

Desenvolvedores e plataformas poliglotas

Post movido para: http://blog.guilhermegarnier.com/2009/09/11/desenvolvedores-e-plataformas-poliglotas/

Há alguns anos atrás, era muito comum encontrarmos desenvolvedores que conheciam somente uma linguagem, e por isso intitulavam-se “desenvolvedor Java”, “desenvolvedor Delphi”, “desenvolvedor ASP”, ou qualquer outra linguagem. Eram pessoas que conheciam uma, e somente uma, linguagem de programação, e a defendiam com unhas e dentes em qualquer discussão nos fóruns, frequentemente gerando flame wars.

Esse tipo de desenvolvedor ainda existe, mas é cada vez menos comum, e isto é muito positivo. O livro The Pragmatic Programmer recomenda que aprendamos uma linguagem nova por ano, e, com isso, muitos daqueles desenvolvedores Java ou C# estão aprendendo Ruby, Python ou Erlang. Mesmo que não tenhamos pretensão de trabalhar com estas linguagens, pelo menos a curto ou médio prazo, cada linguagem tem suas particularidades, ajudando a quebrar paradigmas. Quando conhecemos somente uma linguagem, temos uma grande tendência a resolver os problemas sempre da mesma forma, conforme aprendemos e como é feito tradicionalmente com aquela linguagem. Desta forma, a tendência é a estagnação, pois não procuramos outras maneiras de resolver os problemas. A partir do momento em que começamos a estudar outras linguagens, abrimos nossa cabeça e começamos a “pensar fora da caixa”, e percebemos que existem muitas outras maneiras de resolver aquele mesmo problema, muitas delas mais simples e adequadas à situação. Surgem os desenvolvedores poliglotas.

Na época dos desenvolvedores monoglotas (sim, essa palavra existe!) era muito comum vermos discussões do tipo: “que linguagem é melhor, X ou Y?”. A melhor resposta é: depende! Depende da situação, do projeto, da experiência da equipe… Para cada situação, uma linguagem pode ser mais adequada que outra, o que traz uma grande vantagem para os poliglotas, pois, para se tomar esta decisão, é necessário conhecer as linguagens disponíveis. Ao mesmo tempo, se ninguém na equipe tiver experiência com determinada linguagem, seria um grande risco utilizá-la no projeto. É como uma caixa de ferramentas: se eu tiver somente um martelo na minha caixa, como farei para apertar um parafuso? É importante termos o maior número possível de ferramentas disponíveis, e conhecimento sobre cada uma delas, para que possamos escolher a mais adequada em cada situação.

Acompanhando esse comportamento, há atualmente uma forte tendência a plataformas poliglotas, o que também é muito positivo. As plataformas existentes já estão bastante maduras, têm algoritmos eficientes para gerenciamento de memória e Garbage Collection, por exemplo, e são bem conhecidas. Encontram-se nesta categoria as plataformas Java e .NET, que estão continuamente aumentando o número de linguagens suportadas – veja a lista de linguagens suportadas pela JVM e pelo .NET. Com isso, a escolha da linguagem para cada projeto fica muito mais fácil, permitindo, inclusive, projetos poliglotas. Se você trabalha com Java e decide utilizar Ruby no seu projeto, por exemplo, basta adicionar o jar do JRuby.

A conclusão que podemos tirar disso é que um desenvolvedor nunca deve estagnar. Procure sempre estudar e aprender novas coisas, mesmo que não seja nada relacionado com o que você está trabalhando atualmente, pois, mesmo que não venha a trabalhar, isso ajuda a quebrar paradigmas e permite que você se torne um melhor desenvolvedor.

Linguagens de programação de baixo, médio e alto nível

Post movido para: http://blog.guilhermegarnier.com/2008/03/17/linguagens-de-programacao-de-baixo-medio-e-alto-nivel/

O excelente blog Code Commit publicou um artigo interessante sobre linguagens de programação: como podemos definir se uma linguagem é de baixo, médio ou alto nível?

O post apresenta as principais características de cada nível e as dificuldades de se classificar as linguagens num nível específico, e inclui um gráfico apontando a classificação de algumas das linguagens mais populares, de acordo com a experiência do autor. Muito interessante.


@guilhermgarnier

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

Estatísticas

  • 58,340 hits
Linux Counter