Posts Tagged 'rails'

Resumo do Dev in Rio

Post movido para: http://blog.guilhermegarnier.com/2009/09/29/resumo-do-dev-in-rio/

No último dia 14 aconteceu o Dev in Rio (veja vídeos e fotos do evento). Organizado pelo Guilherme Chapiewski e pelo Henrique Bastos, o evento foi um grande sucesso.

Na abertura do evento, Guilherme e Henrique informaram que o evento seria totalmente voltado para os desenvolvedores, destacando a importância de se integrar e reunir as pessoas para troca de experiências. Eles também ressaltaram a importância de se integrar comunidades de diferentes tecnologias, reforçando também a tendência dos desenvolvedores poliglotas.

A primeira palestra foi de Ryan Ozimek, sobre o CMS Joomla. Ryan, que não é desenvolvedor, falou sobre a história deste projeto, destacando a importância da participação da comunidade para o crescimento do Joomla.

Na palestra seguinte, Nico Steppat e Guilherme Silveira, da Caelum, falaram sobre Java como plataforma, e não como linguagem, destacando o suporte a várias linguagens, permitindo que possamos escolher a linguagem mais adequada a cada situação sem perder as vantagens oferecidas pela plataforma.

Após o almoço, Fábio Akita trouxe uma geral sobre o ecossistema Ruby on Rails. Na minha opinião, esta foi a melhor palestra do evento, pois ele soube resumir em pouco tempo uma quantidade enorme de conteúdo. Primeiramente, ele trouxe um histórico da linguagem Ruby, e, através de uma “meta-apresentação”, mostrou um pouco da linguagem e suas principais características, como meta-programação, por exemplo. Depois, falou sobre Rails, destacando algumas de suas principais características e os mais famosos mitos, como “Rails não escala” (link para a apresentação).

Em seguida, Jacob Kaplan-Moss, um dos criadores do Django, falou sobre este framework Python, sua história, evolução e principais características (link para a apresentação).

Na última palestra, Jeff Patton falou sobre metodologias ágeis, mas focando na criação de produtos e interação com o cliente, e não no desenvolvimento em si. Ele trouxe como exemplo o desenvolvimento de um produto real, as dificuldades encontradas e as soluções utilizadas.

Finalmente, foi feita uma espécie de mesa redonda com a maioria dos palestrantes e alguns convidados, como Marcos Tapajós, Sylvestre Mergulhão e Daniel Cukier, entre outros. Vinicius Teles fez o papel de mediador entre os participantes e o público.

Em paralelo às palestras, ocorreram coding dojos de Ruby, Python e Java. Destaque também para a tradução simultânea das palestras (tanto inglês-português quanto português-inglês), serviço que foi bastante elogiado por aqueles que o utilizaram. Também foram sorteados vários brindes no final, como ingressos para o Rails Summit.

No final, o balanço do evento foi extremamente positivo, pois conseguiu reunir muita gente, incluindo figuras bastante importantes e conhecidas no desenvolvimento de software. Os organizadores estão de parabéns, pois tudo correu sem qualquer problema aparente, todas as palestras foram muito pontuais e de excelente qualidade. Agora, só resta esperar pelo Dev in Rio 2010! Vale a pena conferir também os posts do Guilherme e do Henrique sobre o evento.

Anúncios

Dev in Rio – eu vou!

Post movido para: http://blog.guilhermegarnier.com/2009/08/27/dev-in-rio-eu-vou/

Muitos já devem estar sabendo, mas acho que não custa nada ajudar a divulgar: no dia 14 de setembro ocorrerá aqui no Rio de Janeiro um evento imperdível: o Dev in Rio. Organizado pelo Guilherme Chapiewski e pelo Henrique Bastos, o evento terá palestras sobre Rails, Django, Java, Open Source e metodologias ágeis, contando, inclusive, com palestrantes internacionais. A inscrição custa apenas R$ 65,00, e, pelo sucesso que está fazendo, acho que as vagas vão acabar logo!

Para quem estiver sem grana, vale a pena tentar ganhar ingressos pelo RubyInside ou pela revista TI digital.

Mais informações sobre o Dev in Rio no site e no twitter. Parabéns aos organizadores pela iniciativa!

Instant Rails, o ambiente Rails de bolso

Post movido para: http://blog.guilhermegarnier.com/2009/06/18/instant-rails-o-ambiente-rails-de-bolso/

Com a proliferação dos pen drives com alguns GB de capacidade e a preços acessíveis, aplicativos que rodam sem necessitar de instalação tornaram-se igualmente populares. Estes aplicativos “portáteis”, mais conhecidos como Portable Apps, podem ser executados diretamente do pen drive, geralmente com todas as funções dos equivalentes instaláveis. Eles são mais comuns em ambiente Windows (o site mais conhecido é o PortableApps, mas existem outros, como o The Portable Freeware Collection), porém também existem Portable Apps para Mac OS X. Até onde eu sei, não existem Portable Apps para Linux, porém, é possível executar os Portable Apps de Windows via Wine.

Como não poderia deixar de ser, existem também muitos ambientes de desenvolvimento portáteis. Talvez o mais conhecido seja o XAMPP, que inclui um servidor Apache com MySQL, PHP e Perl, entre outras ferramentas. Basta descompactar e executar.

Para Ruby on Rails, também existe um ambiente portátil. É o Instant Rails, infelizmente disponível somente para Windows. A exemplo do XAMPP, basta descompactar um arquivo zip para se ter um ambiente Rails totalmente funcional, com Mongrel, Apache e MySQL. É possível, inclusive, instalar RubyGems e plugins Rails normalmente, como num ambiente Rails comum. O pacote inclui ainda o SQLite, PHP, phpMyAdmin, o editor SciTE e o typo, sobre o qual já escrevi aqui no blog.

A principal desvantagem do Instant Rails é que ele está bastante desatualizado – a versão atual, 2.0, é de dezembro de 2007, e inclui as seguintes versões:

  • Ruby 1.8.6
  • Rails 2.0.2
  • Mongrel 1.1.2
  • RubyGems 1.0.1
  • Rake 0.8.1
  • Apache 1.3.33
  • MySQL 5.0.27
  • SQLite 3.5.4
  • PHP 4.3.10
  • SciTE 1.72
  • phpMyAdmin 2.10.0.2

Segundo o wiki do projeto, há uma petição solicitando o upgrade para a versão 1.9.1 do Ruby.

UPDATE: Só agora vi que o Urubatan escreveu sobre o mesmo assunto no blog dele. Só que ele citou o Ruby on Rails Portable, um projeto muito semelhante ao InstantRails, porém um pouco mais atualizado: a versão do Rails atualmente é 2.1.0 (a do Ruby é 1.8.6).

Outro projeto semelhante que encontrei, mas ainda não testei, é o Flash Rails.

Ruby on Rails search engine

Post movido para: http://blog.guilhermegarnier.com/2009/03/03/ruby-on-rails-search-engine/

O Google se tornou, há muito tempo, a ferramenta padrão para qualquer desenvolvedor procurar ajuda para resolver os problemas que encontra. Porém, os resultados retornados nem sempre são satisfatórios e confiáveis. O objetivo do Custom Ruby on Rails search engine é resolver este tipo de problema: ele filtra os resultados de uma busca no Google para exibir somente os resultados que vêm de uma lista específica de sites que o autor considera como confiáveis – além de links “oficiais”, como o site oficial do Rails, o wiki do Rails, o Ruby Forum e a API do Rails, alguns dos blogs mais conhecidos. O autor também aceita sugestões de sites para incluir nos resultados.

A ferramenta pode ser utilizada através do link direto ou através de um bookmarklet, conforme descrito no blog.

Fusão entre Rails e Merb

Post movido para: http://blog.guilhermegarnier.com/2009/01/08/fusao-entre-rails-e-merb/

Recentemente, a equipe de desenvolvimento do Rails, que vem trabalhando na versão 3 do framework, divulgou o merge do Rails com o Merb, outro framework Ruby bastante interessante, que até há pouco tempo, era visto como concorrente do Rails. A fusão já deve ocorrer na versão 3 do Rails. Muitos comentários que eu tenho lido sobre esta notícia foram bastante positivos, já que deve conciliar as melhores características de cada um.

Para mais detalhes, seguem alguns links sobre o assunto:

Aproveitando o assunto, começa na próxima semana um curso online de Merb do Satish Talim. Fiz o curso de Ruby dele e achei muito bom, acredito que este também seja.

Nova versão do mod_rails lançada

Post movido para: http://blog.guilhermegarnier.com/2008/12/17/nova-versao-do-mod_rails-lancada/

Recentemente foi lançada a versão 2.0.5 do Phusion Passenger, também conhecido como mod_rails. Esta versão é compatível com Ruby 1.8.7 e Rails 2.3, que nem foi lançado ainda, além de incluir algumas melhorias na estabilidade e correção de bugs. Não testei nenhuma versão do mod_rails desde a primeira, mas pela freqüência de lançamento de novas versões e pelo que tem evoluído a cada versão, parece que tem tudo para se tornar um padrão para deploy de aplicações Rails.

Mais detalhes no blog do Phusion Passenger.

Ferramenta em Rails para criação de blogs

Post movido para: http://blog.guilhermegarnier.com/2008/10/31/ferramenta-em-rails-para-criacao-de-blogs/

Muitos tutoriais de Rails para iniciantes, para demonstrarem na prática como é rápido e simples criar aplicações web com ele, explicam como criar um blog em 15 minutos, baseados no screencast do David Heinemeier Hansson, criador do Rails, para o FISL 6.0. Apesar de ser uma aplicação funcional de blog, com opção para criar posts e adicionar comentários, é bastante limitado.

O Typo é uma aplicação desenvolvida em Rails para criação de blogs bastante completa (inclusive encontrei este blog criado com ele). Ele lembra muito o WordPress, acredito que tenha sido inspirado nele. A interface de administração é muito semelhante à do WordPress, apresentando basicamente as mesmas opções: criar posts e páginas, ver/aprovar/rejeitar comentários, criar usuários, customizar a barra lateral, etc. Há também uma opção para seleção de temas (outros temas podem ser encontrados aqui) e plugins com diversas funcionalidades, como APIs para Delicious, Flickr, Twitter e outros. Só senti falta das opções de estatísticas de acesso que o WordPress oferece.

A instalação pode ser feita através do comando gem (gem install typo), porém, tentei e não consegui instalar desta forma. Instalei a ferramenta pela versão tgz. Neste caso, basta descompactar a aplicação, copiar o arquivo database.yml.example, no diretório config, para database.yml, editá-lo conforme a configuração do banco de dados, e em seguida executar rake db:create para criar a estrutura do banco de dados. Caso você queira ser avisado por email quando receber comentários nos posts, copie também o arquivo config/mail.yml.example para mail.yml no mesmo diretório, e edite as configurações de SMTP.

O Typo também possui um servidor de feeds RSS/Atom. Porém, na versão atual (5.1.3), recebi uma mensagem de erro ao tentar acessar os feeds. Encontrei o erro no arquivo app/models/article.rb e corrigi substituindo o método link_to_author? (linhas 384 a 386) pelo seguinte:

def link_to_author?
  begin
    !user.email.blank? && blog.link_to_author
  rescue NoMethodError
    return false
  end
end

@guilhermgarnier

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

Estatísticas

  • 58,442 hits
Linux Counter